Tintas de cabelo fazem mal?

Conheça mais sobre as tinturas mais utilizadas no emrcado.

Tinturas para cabelo fazem mal?

Existem diversos tipos de tintas, vou falar delas e cabe ao paciente escolher o que é melhor para ele. Mas de uma maneira geral, se aquele cabelo branco te deixa com baixa auto-estima, então PINTE, porque a felicidade de se sentir bem ajuda muito no brilho do cabelo e da pele!

Mas vamos aos tipos de tintura/tinta de cabelo: Permanentes, Semipermanentes, Temporárias e a Descoloração.

Permanentes

São as que têm como base a amônia. Sabe aquelas que você mistura, geralmente, a água oxigenada ao tubinho na hora da aplicação? Na verdade o tubinho é a cor, essas tintas são partículas bem pequenininhas que conseguem entrar no fio, e quando reagem com a água oxigenada elas ficam grandonas, mas ai já estão dentro do fio de cabelo e não conseguem mais sair, por isso são permanentes. Ocorre uma reação química dentro do fio, e isso, obviamente, altera/danifica o cabelo estruturalmente.

Em relação a esses produtos, é muito importante testar antes, porque os corantes têm poder de dar alergia (nomes difíceis: parafenilenodiamina e paratoluenodiamina são os principais causadores). Mas lembre-se: alergia a produtos pode surgir em qualquer época da vida, mesmo que já use a mesma tinta ou medicação a vida toda!!!!

Obs: amônia é contra-indicada para grávidas

Foto por Hedgehog Fibers - http://www.hedgehogfibres.com/

Foto por Hedgehog Fibers – http://www.hedgehogfibres.com/

Semi permanentes( “tonalizantes”)

Eles não precisam daquela reação dentro do cabelo, são moléculas pré-formadas, penetram só na parte externa dos fios. Duram menos, cerca de 12 lavagens, e são melhor indicadas  para escurecer o fio.

Semipermanentes em Tons de Cinza

São corantes metálicos (chumbo, cadmio, níquel,…) que se depositam na haste do pelo, gerando uma aspereza ao toque. São os preferidos dos homens porque tingem rápidamente. Se a ANVISA libera essas substâncias, não sou eu quem vou proibir, mas acho um tanto quanto discutível uso de metais para esses fins, já que tem algum grau de toxicidade.
OBS: o Grecin 5 é um dos mais conhecidos, e olhando sua bula, a substância é bismuto(que também é um metal, mas presente em antiácidos para azia, então não há maiores problemas como o temido Chumbo). Observando a bula vi que tem enxofre como estabilizador, talvez os benefícios desta substância ajudem em pacientes com dermatite seborreica (“caspa“), mas não sei se a dose é suficiente, e não há estudos sobre isso.

Temporários

São pigmentos muito grandes, que se difundem pelo fio sem penetrar nele. Geralmente saem na primeira lavagem, a Henna é uma forma mais duradoura desse gênero. Outras opções são a camomila, salvia, ruibarbo,… Tem pouco poder alergênico, mas dura pouco e tem poucas opções de cores.

Descoloração

Talvez uma das mais usadas, porque são as luzes/reflexos e também usadas para pintar e atingir o tom exato sem interferência da cor natural . É uma reação parcial ou total da melanina (pigmento presente na pele e cabelo, que dá a cor aos mesmos). Também são a  base de amôniaágua oxigenada, ela dissolve o pigmento (melanina)  no interior do fio (não tem como não danificar o fio!!), e essa reação não se sabe ao certo como ocorre(!!!) e é tempo dependente, ou seja, quanto mais tempo fica, mais reação ocorre, mais melanina é destruída, mais claro o cabelo fica! Logo, não faça com qualquer pessoa pelo risco de romper o fio, já que o dano também é na queratina, que é quem dá a força ao fio!

Existe um estudo que mediu a porosidade e resistência dos fios a diversos tratamentos químicos, e PASMEM: o maior dano foi a descoloração!

Conclusão, faça o que te faz bem, mas saiba sempre o que você está fazendo e com quem está fazendo!

Autor: Dra. Violeta Tortelly

Formação Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)*****
Residência em Dermatologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)*****Mestranda na Universidade do Estado do Rio de Janeiro(UERJ)*****Professora no ambulatório de Alopecias na pós graduação de dermatologia do Hospital Naval Marcilio Dias*****Membro da equipe de parecer de dermatologia nos Hospitais Niterói D`or, Hospital Icaraí e Complexo Hospitalar de Niterói*****Preceptora/professora de Dermatologia no ambulatório do Hospital Universitário Pedro Ernesto de 2014-2016*****Fellow em Barcelona no Hospital Sant Creu e Sant Pau- 2013*****Membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Dermatologia Fluminense(SBD FL) gestão 2015-2016*****Título de especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e AMB*****
Título de especialista em Hanseníase pela Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH) e AMB*****

http://lattes.cnpq.br/6342177221536986